Como aprender marketing com Game of Thrones

0

Game of Thrones é a série mais assistida na atualidade. Uma saga em que fantasia, dragões, zumbis de gelo, incesto e chocantes níveis de violência criaram um programa de TV de sucesso. Vale destacar a audiência surpreendente no primeiro episódio da oitava temporada (com cerca de 17.4 milhões de pessoas acompanhando a série de maneira simultânea, quebrando um recorde da TV). Mesmo aqueles que nunca viram a série sabem algo a respeito. Sendo assim, foi difícil abrir as redes sociais na última segunda-feira e não ver aquele spoiler gigante chamando atenção. Tal sucesso e “viralização” me trouxeram o seguinte questionamento: Como posso aprender marketing com Game of Thrones?

Entendendo a história do produto
Tudo começou quando o roteirista David Benioff terminou de ler o livro Game of Thrones. Foi então que ele imediatamente comentou com o seu melhor amigo e também roteirista, Daniel Weiss, que aquela história era a melhor coisa que ele tinha lido em anos. Não demorou muito para que os dois começassem a analisar maneiras de adaptar a ficção.

Em resumo, eles chegaram à conclusão de que, ao fazerem um filme, iriam perder pelo menos 90% da história e que, para isso, a saída poderia ser seduzir a HBO para criar uma série. A emissora de TV já possuía conteúdos de ficção e contexto sexual. Mas, antes de convencer a HBO, a dupla de roteiristas foi até Santa Mônica, nos Estados Unidos, e participou de uma reunião de cinco horas com George Martin, o criador do livro “A Song of Ice and Fire” ou, em português, “As Crônicas de Gelo e Fogo”. Foi justamente nessa reunião que o autor do livro foi convencido a adaptar sua obra.

Após isso, os roteiristas levaram a ideia para a HBO, que imediatamente comprou os direitos autorais dos livros.

Análise de Marketing: Benioff e Weiss viram oportunidade em um produto, criaram uma verdadeira análise SWOT identificando força, oportunidades, fraquezas e ameaças. Depois das conclusões iniciais, eles traçaram um plano que foi: adaptar, convencer e comercializar o produto. Também colocaram em prática várias estratégias para que o empreendimento acontecesse, desde parceria com o autor do livro, até a busca de patrocínio para viabilização.

Economia Criativa
GOT surgiu em uma época específica: onde havia a saturação das séries que tinham como foco principal um único personagem “fodão”. A indústria precisava de algo diferente e foi isso que aconteceu. A Guerra dos Tronos, traduzindo para o português, trouxe um novo conceito de série, com vários atores principais, criando surpresas e situações inesperadas logo nos primeiros episódios. Quem imagina que rolaria um incesto entre os irmãos Lannisters, ou que o pequeno Bran Stark seria jogado do alto do Castelo pelo Jamie? E, ainda, que Ned Stark morreria daquele jeito?

Essa narrativa com muitas surpresas e fugindo totalmente do óbvio, fez com que o público entrasse em um estado de curiosidade e interesse pelo próximo capítulo.

Game of Thrones no Centro do Marketing Digital
“Deixe a sua audiência virar o seu marketing”, talvez essa seja a maior lição de GOT. A equipe de conteúdo da série não demorou a aproveitar o momento e, em pouco tempo, estava com contas nas principais mídias socias, tais como: Facebook, Instagram, Twitter, Youtube, e outras.

Arte divulgada no começo da oitava temporada, que levou a seguinte pergunta para o público, quem morrerá na última temporada de Game ofThrones

A disponibilização de informações frescas, como entrevistas, gifs sobre o capítulo anterior, bastidores, vídeos exclusivos e até provocações querendo saber a opinião do público, foram fatores que formaram uma estratégia assertiva. De fato, os conteúdos viralizaram. Exemplo foi a criação do site winteriscoming.net, que serve como fonte de notícias para as próximas temporadas e para qualquer fofoca nos bastidores.

Cultura Organizacional e Experiência do Cliente
Cultura organizacional é o conjunto de valores, procedimentos, usos e costumes que indicam para todos os colaboradores as preferências da liderança da organização a respeito de como todos devem se comportar; elas devem ser compartilhadas por todos. (Gasparetto, 2017)

Trazendo a visão conceitual para a série, cada casa tinha a sua cultura organizacional muito bem definida, na qual, todos encontravam em seu DNA  missão, visão e valores de suas bandeiras, de maneira bem comunicada. Assim, todos lutavam pelo mesmo interesse e seguiam juntos para atingir o objetivo. Além disso, fazer com que as pessoas sigam a risca as definições da cultura organizacional, além do fato de defenderem os seus “lemas”, é como passar a mensagem para terceiros da seriedade da Casa/ “Empresa”.

Um exemplo clássico em GOT foi a boa reputação da Casa Lannister por “sempre pagar suas dívidas”. Tal lema salvou Tyrion da morte, foi ajuda financeira para o Reino, entre outras aberturas.
– Casa Stark – O Inverno está chegando
– Casa Targaryen – Fogo e sangue
– Casa Lannister – Ouça-me rugir. “Conhecidos por sempre pagarem suas dívidas”.

Casa Stark – Casa Lannister – Casa Targaryen

Faça essa reflexão. Comece com o exercício de olhar para a sua equipe! As pessoas estão com os conceitos organizacionais bem alinhados? E mais: receberam os treinamentos necessários? Elas estão indo para a mesma direção?

Fatos de dentro da série para serem utilizados em Marketing
Difícil achar que não gostava de Tyrion Lannister, um anão boêmio, inteligente e cheio de recursos. Com certeza um bom cara para fazer parte do time de marketing. Quem não se lembra do nono episódio da segunda temporada, o memorável Blackwater, em que Tyrion usou o fogo vivo produzido por Cersei para destruir os navios de Stannis, na Baía da Água Negra?

Eu refleti muito sobre esse momento, pois trazendo para o nosso dia-a-dia, nós precisamos aproveitar os recursos que temos para as “batalhas”. Esse exercício é diário e vem com muito conhecimento a respeito de produto, equipe, concorrência, bem como ferramenta e plataformas.

Aproveitando a onda do conhecimento, a figura do “nerd” Sam da Casa Tarly, moço tímido e sem muito jeito para guerra, é tudo que o marketing precisa. Sem estudo, não temos recursos para montar uma estratégia, ou até mesmo, possuir indicadores em tempo real para sinalizar que as coisas não vão bem. O Sam é o profissional de marketing que gera relarórios inteligentes, com monitoramentos das KPIs necessárias para o alcance do objetivo.

Daenerys Targaryen, a mãe dos Dragões, deu uma aula de como trabalharmos em parceria, o quanto são necessárias conexões para conquistar novas bases. Exilada em Esso durante a batalha final da rebelião de Robert, Daenerys foi maltradada durante dezessete anos pelo seu irmão Viserys. Depois de ser oferecida para Khal Drogo, ela tornou-se Khaleesi, Rainha de Dotraki. Após isso, começou uma saga para trazer justiça ao seu reino. Sua principal estratégia foi libertar escravos e criar alianças para que lutassem ao seu lado.

Trazendo essa reflexão para as nossas atividades de marketing, precisamos criar estratégias para que as pessoas criem laços com a marca ou o produto. Desse modo, elas sentem que estão ganhando benefícios. Assim, o laço criado será único e muito rentável.
 

Share.

Leave A Reply